• Ádila Lopes

Colaboração, a força do inusitado e imponderável



Nunca, em tempo algum, um processo de transformação social ou uma revolução aconteceram sob uma única força gigante. Essas coisas nascem de loucos distribuídos e inspirando pequenos grupos próximos ou nem tanto assim ( grupos que por vezes sequer sabem da existência um do outro), até que o inusitado das conexões acontece e os pequenos se fazem reconhecidos no resultado de um grande impacto social, histórico e por aí vai. A era digital, inegável na sua força, poder e significado, tem nos permitindo - sob a dinâmica de um clique, o deslizar de uma tela a outra - a possibilidade de acesso ao mundo, em toda a sua complexidade e espetáculo - do horrendo à mais singela humanidade. A Revista Harvard Business Review (Brasil) em sua edição de setembro (2014) apresentou um artigo muito bacana. Sob o título de 'Compartilhar não é só para startups', Rachel Botsman da Collaborative Lab e coautora de 'What's Mine Is Yours: The Rise of Collaborative Consumption', discorre sobre como grandes empresas, do porte da Marriott e General Eletric, tem aberto os olhos para uma nova realidade que ganha força mundo afora, a colaboração - de espaços e ideias (e outras riquezas) e estão lançando mão disso como estratégia para desenvolvimento de produtos, aperfeiçoamento de processos gerenciais enfim, fazendo aplicação de novas maneiras de fazer negócios. É bem verdade que talvez (e fazendo juízo) ainda impere o velho espírito capitalista do lucro e de descobrir, simplesmente, uma nova maneira de fazer as pessoas consumirem, consumirem e consumirem sem pensar, dando lucro, lucro e lucro aos grupos dessas empresas. Talvez. É bem possível que seja só isso. Agora, é bem real, também, que uma nova maneira de ver o mundo, de experimentá-lo, de vivê-lo, digamos assim, já se consolida, desde cidades com quase impecável infraestrutura urbana à livre disposição aos seus moradores, de todos os recursos necessários a uma vida decente e sem maiores preocupações, até lugares inóspitos, onde não haveria espaço para o mais simplório dos sonhos, ao custo de se perder com ele a única energia disponível ao indivíduo, o respirar do dia, num esforço sobre-humano. Essa nova maneira de ver o mundo tem por base um despertar (que ainda não sabemos se duradouro) do espírito colaborativo. Talvez, depois de tantos séculos, muitas frustrações, mentiras feitas verdades, dores e muito sangue inutilmente derramado, finalmente estejamos conseguindo começar a compreender a célebre frase de John Donne, quando disse que "nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todos são parte do continente, uma parte de um todo...". Talvez estejamos percebendo que o culto ao individualismo celebrado na academia, nos nichos empresariais e ícones de grandes homens de negócios, nas construções religiosas a se mostrarem com estupenda força no apagar das luzes do século passado, até os guetos de miséria onde você vence sozinho e se torna referencial, tem uma capacidade finita e vejamos agora, que o homem só é homem - no significado magnífico da sua constituição de inteligência emocional, demonstração de forças intelectuais, capacidades extraordinárias para a bondade e outras coisas, quando se admite, antes de tudo isso, um ser comunitário e que depende, necessariamente, da experiência cotidiana colaborativa.

Ou não. Pode ser também que esta seja uma leitura e interpretação apaixonada que eu esteja fazendo. Mas, e se for um despertar do espírito colaborativo para transformação de negócios e modo de fazê-los, da sociedade em novas formas de organização? Não nos caberia um olhar com pouco mais de atenção a fim de procurar um local em que possamos ser parte desse processo, dando a ele perenidade? Olhando para os pequenos focos de revolução espalhados no que tem sido denominado de meia dúzia de loucos e inconsequentes "sonháticos", talvez o mundo normal ainda centrado no individualismo, veja apenas o inusitado, o desperdício de energia em um sonho imponderável.

E, se dermos um passo além e usarmos a força do imponderável em tudo o que nos toca criando novas práticas nos ambientes de trabalho, transformando trabalhadores em reais colaboradores, criando espaço de troca e colaboração no lugar da competição, premiando a intersecção de ideias e não a relação os processos eliminatórios.

Tudo isso pode ser possível ser virarmos a chave do pensamento. O desejo é que a força do inusitado e imponderável nos surpreenda e nos ajude a construir novas perspectivas para a construção de novos mundos possíveis.

* atualização de publicação original de 20, set/2014

----

Ádila Lopes

Produtora Publicitária, empreendedora digital.

#colaboração #competição #novosnegócios

2 visualizações

© 2018 SOCIALI.ME!

  • Facebook Sociali.Me
  • Twitter Sociali_Me
  • YouTube SocialiMe
  • Instagram - Sociali.Me!